CDMF e MIT desenvolvem sensor de gás poluente

Equipamento pode ser uma alternativa para reduzir o impacto ambiental nas cidades

Uma pesquisa desenvolvida pelo Centro de Desenvolvimento de Materiais funcionais (CDMF), em parceria com o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos EUA, desenvolveu um sensor que detecta parte por milhão (ppm) de dióxido de nitrogênio (NO2) no ar. O trabalho foi patenteado pelo MIT em parceria com a Universidade Estadual Paulista (UNESP). A colaboração entre as duas instituições continua com o objetivo de aprimorar os materiais e dispositivos.

O estudo foi realizado na UNESP, com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Marcelo Orlandi, professor do Instituto de Química da UNESP em Araraquara (SP) e responsável pelo projeto, explica que o sensor pode ser utilizado em todos os lugares em que haja níveis críticos de NO2 no ar. “Em termos práticos, qualquer lugar em que se trabalha com elevadas pressões e temperaturas pode apresentar níveis críticos de NO2”, apontou.


Os riscos do NO2

O NO2 é um gás tóxico a pessoas e animais e a exposição de longa duração provoca danos sérios à saúde. O composto aumenta a sensibilidade à asma e à bronquite, principalmente em crianças, idosos e grupos de risco (pessoas com problemas respiratórios), além de ser irritante para os pulmões e diminuir a resistência a infecções respiratórias.

Veículos automotores, motores de combustão interna, usinas termelétricas e siderúrgicas, e fábricas de pasta de papel são os principais sintetizadores artificiais dos óxidos de nitrogênio. “Isso engloba grandes cidades, já que o dióxido de nitrogênioé emitido por veículos e indústrias químicas”, explicou Orlandi.

Próximos passos

O sensor tem como base o monóxido de estanho (SnO), que, por possuir elétrons desemparelhados na superfície, facilita a adesão das moléculas de NO2. Orlandi comenta que o próximo desafio do estudo é aprimorar os resultados. “Estamos aprofundando a pesquisa para tentar melhorar ainda mais a resposta do material, ou ainda obter outras aplicações para o mesmo material”, disse.

O coordenador do CDMF, professor Elson Longo, explica que uma das frentes de pesquisa do Centro é o meio ambiente. “Com a evolução da sociedade, precisamos cada vez mais de proteção ambiental e novas formas de controle. Os sensores desempenham um papel fundamental neste novo desenho do meio ambiente”, disse.

Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais
Sobre Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais 436 Artigos
O CDMF é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) apoiados pela FAPESP. O Centro também recebe investimento do CNPq, a partir do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Materiais em Nanotecnologia (INCTMN).