Sensores de monóxido de carbono são viabilizados por interação internacional

Interação Brasil/Argentina

Na foto, pela ordem da esquerda para a direita Mario Cilense e Elson Longo, do IQ-UNESP, Araquara, Alexandre Simoes e Leandro S. Rosa Rocha,do DQ-UNESP, Guaratinguetá e Miguel Ponce da Universidade de Mar del Plata.

O CDMF-LIEC-UFSCar, recebeu, no dia 10/03, a visita dos pesquisadores Mario Cilense, do IQ-UNESP, Araquara, Alexandre Simoes  e Leandro S. Rosa Rocha,do DQ-UNESP, Guaratinguetá e Miguel Ponce da Universidade de Mar del Plata, investigador da CONICET para discutir o desenvolvimento de novos sensores cerâmicos. Na oportunidade, os pesquisadores concluíram que a interação Brasil/Argentina, resultou na publicação de 3 (três) artigos em revistas internacionais, 2 (duas) patentes e interação com a indústria Argentina para produção de sensores de óxido de carbono (CO) e com possibilidades dos mesmos sensores serem produzidos no Brasil. O CO é um gás mortal, por ser inodoro faz vítimas no Brasil e na Argentina.

Daniela Caceta
Sobre Daniela Caceta 68 Artigos
Atua no Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais.