Seminários do CCMC – Amina Ribeiro

Luz e Espelhos: Uso de Mapas Conceituais no estudo de Óptica para alunos do Ensino Médio

Abstract: Neste trabalho foi estudado o uso de mapas conceituais no processo de ensino, aprendizagem e avaliação do estudo da óptica, com ênfase aos conceitos de Luz e Espelhos, analisando a potencialidade dos mapas conceituais na promoção da argumentação em aulas de Física do Ensino Médio. Para isso, foi desenvolvido um minicurso sobre Luz e Espelhos, implementado a alunos do 2° ano do Ensino Médio de da rede pública de São Carlos. A análise dos resultados foi feita através de três ferramentas: 1° os mapas conceituais, nos permitindo identificar as relações corretas e incorretas dos conceitos envolvidos com Óptica; 2° o modelo de Toulmin, utilizado para validar os argumentos apresentados nos mapas pelos alunos, mostrando que houve um aumento na quantidade de elementos dos argumentos, permitindo inferir que durante a argumentação colaborativa, incentivada pelos mapas conceituais, potencializou-se a argumentação e aprendizagem dos alunos, e por último uma 3° análise ocorreu através avaliação da complexidade dos argumentos retratados nos mapas via combinações TAP (Toulmín’s Argument Pattern) na ausência e presença do professor, observando-se que os alunos produziram combinações de argumentos de cunho mais básico, CDJ na ausência do professor, sendo que na presença do mesmo, o nível de complexidade aumenta para CDJB e CDJBR, aclarando que esta intervenção durante a atividade dos mapas melhorou o poder de argumentação dos alunos, aprimorando sua aprendizagem na temática abordada neste trabalho.

Seminarista: Amina S. L. Ribeiro – aluna de IC do Grupo de Pesquisa Crescimento de Cristais e Materiais Cerâmicos

Data: 26/06/2015

Local: Sala F-202 (Prédio dos Laboratórios de Ensino do IFSC)

Horário: Das 16h às 17h

Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais
Sobre Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais 436 Artigos
O CDMF é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) apoiados pela FAPESP. O Centro também recebe investimento do CNPq, a partir do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Materiais em Nanotecnologia (INCTMN).