Seminários do CCMC – Karen Luisa de Barros

Efeito da adição de dopantes e da rota de síntese nas propriedades do composto CaTiO3

Abstract: Nos materiais nanocristalinos, o processo de dopagem tem sido considerado de fundamental importância para estabilizar determinadas fases ou faces cristalinas. A busca por novos materiais também tem sido baseada no uso de novos métodos de síntese como, por exemplo, o método hidrotermal e solvotermal. Desta forma, a introdução de dopantes simultaneamente com o uso de uma metodologia de síntese versátil mostra-se como uma proposta interessante para obter materiais já produzidos por técnicas convencionais, mas que apresentam propriedades diferenciadas. Deseja-se verificar o efeito do método de síntese utilizado e da adição de íons dopantes como Mg2+, Fe2+ e Ni2+ nas propriedades morfológicas e estruturais do composto CaTiO3 que será preparado através dos métodos hidrotermal e solvotermal sem o uso de microondas. Segundo o estudo realizado por Alfredssom estes íons são os mais ativos em relação as mudanças de morfologia na fase CaTiO3. Até o momento, foram realizados experimentos verificando o efeito dos parâmetros de síntese (tempo e temperatura) e variando-se os precursores utilizados e a metodologia de síntese, caracterização por técnicas como difração de raios X e microscopia eletrônica de varredura, assim como o efeito da substituição dos íons dopantes no sítio A (Ca) e no sítio B (Ti). Futuramente serão realizados testes sobre a atividade catalítica e da sensibilidade ao gás ozônio das amostras obtidas.

Seminarista: Karen Luisa Parro de Barros – mestranda do Grupo de Pesquisa Crescimento de Cristais e Materiais Cerâmicos

Data: 23/06/2015

Local: Sala F-202 (Prédio dos Laboratórios de Ensino do IFSC)

Horário: Das 16h às 17h

Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais
Sobre Centro de Desenvolvimento de Materiais Funcionais 436 Artigos
O CDMF é um dos Centros de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) apoiados pela FAPESP. O Centro também recebe investimento do CNPq, a partir do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos Materiais em Nanotecnologia (INCTMN).