LaDiC – CCMC – Perspectivas de ex-membros sobre a Divulgação Científica na carreira de um pesquisador – José G. Lício

José Guilherme atualmente, pesquisa História e Filosofia da Ciência

Para tornar atraente ao público em geral os conhecimentos científicos e as tecnologias decorrentes destes avanços, uma das estratégias que o Laboratório de Difusão Científica (LaDiC) do CCMC utilizou em suas ações, foi a realização de um projeto que levava à comunidade a relação entre ciência e arte, com enfoque na nanotecnologia. À época, um dos alunos que atuaram na iniciativa, desenvolvendo um minucurso sobre o tema, foi o estudante de bacharelado em Física do IFSC/USP,  José Guilherme Lício.

José Guilherme atuou durante um ano (2012 a 2013) no LaDiC difundindo em escolas públicas a relação entre Ciência e Arte no decorrer do tempo e como hoje em dia, a área científica contribui para a produção de obras de arte em escalas nanométricas. O projeto desenvolvido, divulgou o trabalho realizado pelos pesquisadores do CDMDC (Centro Multidisciplinar para o Desenvolvimento de Materiais Cerâmicos – CEPID/FAPESP) utilizando as imagens dos materiais estudados no Centro para mostrar uma visão mais poética da ciência e tecnologia em escalas nanométricas.

Acompanhemos então qual foi a trajetória que seguiu o estudante José Guilherme Lício, e como o período em que trabalhou no LaDiC contribuiu para sua formação.


José Guilherme e sua posição atual

José Guilherme atualmente, pesquisa História e Filosofia da Ciência, sendo orientado pela docente do IFSC Cibelle Celestino Silva. O tema de sua investigação trata das concepções que os ganhadores do Prêmio Nobel têm a respeito da natureza da Ciência. O estudante está no último ano do Bacharelado em Física do Instituto de Física de São Carlos.

Os primeiros passos no LaDiC

O estudante ingressou no LaDiC no ano de 2012, tendo encerrado seu trabalho em 2013 e foi orientado pelos coordenadores do LaDiC, Professores Antonio Carlos Hernandes e Ariane Baffa Lourenço. Lício nos disse a respeito de sua motivação para desenvolver o projeto, que possibilitou que o conhecimento da nanoarte fosse disseminado pelas escolas públicas de São Carlos e também foi fundamental para seu amadurecimento: “Minha principal motivação para participar do projeto no LaDiC foi a relação com concepções artísticas, pois, como sempre gostei de trabalhar com temas artísticos, ao ver o projeto homologado nas bolsas de Cultura e Extensão senti uma identificação e me dediquei a procurar mais a respeito. Algo que também me motivou bastante foi a oportunidade de desenvolver um trabalho remunerado na universidade com um tema que realmente me agrada, pois dessa forma pude aliviar os gastos que minha família tinha para me sustentar em São Carlos, e isso socialmente me fez adquirir bastante responsabilidade ao administrar meu dinheiro.”

O trabalho desenvolvido no LaDiC

Lício nos contou a respeito do trabalho desempenhado no CCMC: “Participei do projeto de divulgação de conceitos associados à nanociência e nanotecnologia por meio de concepções artísticas (nanoarte). Neste projeto, desenvolvi minicursos de divulgação científica voltados a alunos da educação básica, no qual, além dos conceitos técnicos relacionados à N&N, buscaram apresentar uma contextualização histórica do desenvolvimento dessas áreas de pesquisa, bem como as relações entre Ciência e Arte através dos tempos, e, com isso, avaliar como a concepção de alunos da Educação Básica sobre N&N mudam com a implementação desse tipo de intervenção.”

A importância da Divulgação Científica na visão de Lício

Antes de trabalhar no LaDiC, eu via a divulgação científica como algo homogêneo e simples, e sinceramente não pensava a respeito da importância e das nuances desse tipo de trabalho. No entanto, após minha experiência no LaDiC, pude perceber a complexidade dessa área de pesquisa, e que divulgar ciência exige uma responsabilidade e uma dedicação muito intensas, e que definitivamente não se trata de algo “simples” de se fazer. Continuo acreditando na importância da divulgação científica à sociedade, porém agora consigo perceber com clareza que grande parte do que se veicula como “divulgação científica” traz conceitos errôneos, muitas vezes absurdos do ponto de vista científico, e minha experiência no LaDiC me ajudou muito a justamente não cometer os erros que às vezes vejo na área de divulgação.”

Inovação na Divulgação da Ciência – uma necessidade

José Guilherme acredita, com a experiência adquirida no LaDiC, que divulgar ciência é uma tarefa que necessita de caminhos alternativos e inovação: “Do meu ponto de vista, não existe apenas um caminho para se fazer uma divulgação científica de qualidade. Acredito que existam alternativas muito interessantes a serem exploradas nesse âmbito, e talvez essas alternativas possam aproximar muito mais o público e a Ciência. Dentre as possíveis alternativas, há aquelas que enfoquem uma contextualização histórica, filosófica e social do desenvolvimento científico; há também a possibilidade de divulgação por meio da aproximação da universidade e da sociedade em programas que tragam alunos do colegial, por exemplo, para conhecerem o ambiente acadêmico “real”, do dia-a-dia dos pesquisadores; também cito a possibilidade de divulgar ciência através das concepções que se tem de Ciência em campos não-científicos, por exemplo as artes plásticas, a literatura, a música…”

Reflexos do aprendizado no LaDiC para a trajetória de Lício

O estudante que atualmente dedica-se ao estudo da História da Ciência, contou-nos que seu interesse por esta área de pesquisa surgiu quando ainda estava trabalhando no LaDiC, na pesquisa histórica da relação entre arte e ciência no decorrer do tempo. Segundo ele, o período de aprendizado no LaDiC contribuiu para seu amadurecimento enquanto pesquisador: “Foi durante as pesquisas no LaDiC que percebi o quanto gosto de História e Filosofia da Ciência. Também percebi que, ao trabalhar com o público, aparecem demandas muitas vezes inesperadas a respeito de que conceitos científicos necessitam ser melhor explicados à sociedade, o que me fez adquirir um senso de que, ao divulgar ciência, mesmo que seja num teor pessoal, é necessário ter muita clareza a respeito dos conceitos, e tomar muito cuidado com a ilusão de se saber algo que não se sabe ao certo.”

Produtos gerados pela pesquisa de Lício no LaDiC

José Guilherme Lício concluiu a entrevista fazendo um balanço dos produtos gerados de seu trabalho no LaDiC: “Os estudos feitos com a equipe do LaDiC renderam várias apresentações em congressos/seminários, além da participação em publicação de um artigo na Revista Brasileira de Ensino de Física, e também o desenvolvimento de dois minicursos voltados a alunos da Educação Básica. Em todas as escolas nas quais apresentei os minicursos a recepção foi muito boa, e muitos dos alunos me procuraram posteriormente demonstrando interesse pela área científica, a qual, muitas vezes, antes era vista com certo “receio” por estes alunos. Houve casos em que alunos que tiveram contato com o minicurso ingressaram em cursos de ciências exatas posteriormente.”

Artigos completos publicados em periódicos

LEITE, I. S.; Lourenço, A.B.; LICIO, J. G.; HERNANDES, A.C. Uso do método cooperativo de aprendizagem Jigsaw adaptado ao ensino de nanociência e nanotecnologia. Revista Brasileira de Ensino de Física. Revista Brasileira de Ensino de Física (Online), v. 35, p. 1, 2013.

Resumos publicados em anais de congressos

1.HERNANDES, A.C. ; LICIO, J. G.; LEITE, I. S.; Lourenço, A.B.  Um estudo sobre o uso de Texto de Divulgação Científica como ferramenta no ensino da Nanotecnologia. In: 21º Simpósio Internacional de Iniciação Científica da Universidade de São Paulo, 2013, São Paulo.

2.LICIO, J. G.; LEITE, I. S.; Lourenço, A.B.; HERNANDES, A.C. Nanoarte como agente motivador para ensinar conceitos associados à nanotecnologia. In: 2º Simpósio Aprender com Cultura e Extensão, 2013, Ribeirão Preto.

Apresentações de Trabalho

LICIO, J. G.; LEITE, I. S.; Lourenço, A.B.; HERNANDES, A.C. Nanoarte como Agente Motivador para Ensinar Conceitos Associados à Nanotecnologia. 2012. (Apresentação de Trabalho/Simpósio).

Outras produções bibliográficas

1.LICIO, J. G.; HERNANDES, A.C. O universo do mundo muito pequeno 2012 (Divulgação Científica).http://www.ifsc.usp.br/ccmc/index.php/pt/publicacoes/divulgacao-cientifica/o-universo-do-mundo-muito-pequeno

2. LICIO, J. G.; HERNANDES, A.C. Ciência divertida e a fotografia da eletricidade 2012 (Divulgação Científica).http://www.ifsc.usp.br/ccmc/index.php/pt/publicacoes/divulgacao-cientifica/ciencia-divertida-e-a-fotografia-da-eletricidade

Participação em eventos

1. Sixth International Conference on Concept Mapping. Mapa Conceitual Como Instrumento para Identificação do Conhecimento Prévio de Alunos de Ensino Médio Sobre Nanotecnologia. 2014.

2. 2º Simpósio Aprender com Cultura e Extensão.Nanoarte como Agente Motivador para Ensinar Conceitos Associados à Nanotecnologia. 2012.

3. 3º Simpósio Aprender com Cultura e Extensão.Nanoarte como Agente Motivador para Ensinar Conceitos Associados a Nanotecnologia. 2013.

4. 21º Simpósio Internacional de Iniciação Científica da USP – SIICUSP.Um Estudo Sobre o uso de Texto de Divulgação Científica como Ferramenta no Ensino de Nanotecnologia. 2013.

Amanda Murgo
Sobre Amanda Murgo 134 Artigos
Educadora do Laboratório de Difusão Científica (LaDiC) do Grupo Crescimento de Cristais e Materiais Cerâmicos (CCMC/IFSC/USP) no âmbito das ações de Difusão Científica do CDMF. Assessora de Comunicação do CCMC/LaDiC/CDMF desde 2010. Bacharel em Filosofia pela Universidade Federal de São Carlos com estágio no Projeto "História da Ciência e Meio Ambiente - as demandas por energia através da História" (CCMC/IFSC/USP/CDMF) de abril de 2013 a julho de 2014. Atua ministrando cursos de Educação Ambiental em escolas de Rede Básica de Ensino e Educadores com a temática pelo CDMF até os dias atuais.